quarta-feira, 30 de novembro de 2011

SEMINÁRIO ITAÚ EMPRESAS

ASSISTA AGORA http://seminarioitauempresas.com.br/

A REDAÇÃO

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

FUJA DAS ARMADILHAS NO NATAL

Fuja das armadilhas nas compras de Natal

Publicada: 28/11/2011 10:52| Atualizada: 28/11/2011 10:48
Rivânia Nascimento

A E-bit, empresa especializada em informações sobre o setor de comércio eletrônico,   estima  que  as vendas em sites de compras coletivas  deve movimentar R$ 2,6 bilhões no Natal deste ano, o que representa um crescimento nominal de 20% em comparação a 2010. Segundo a empresa, o número de pedidos também será maior este ano em comparação ao ano passado, com crescimento estimado de 25%. No entanto, órgãos de defesa dos direitos do consumidor alertam   para as armadilhas  desse tipo de comércio.

Segundo informações  do Reclame Aqui, um dos mais importantes  sites de reclamações do país, junto com as promoções e preços tentadores expostos em  diversos sites da
internet, aumentam também o número de reclamações contra lojas virtuais nos   órgãos de defesa do consumidor. Liderando a lista das principais reclamações, estão o atraso na entrega, entrega de produto com defeito, dificuldade de contato com a empresa, cobrança indevida e mau atendimento no Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC).
Cuidados - De acordo com informações do Procon, o consumidor deve estar atento ao fazer uma compra pela internet, principalmente durante o período de Natal, em que o volume de pedidos e a ocorrência de problemas na entrega são maiores. O Órgão recomenda que, primeiro, o consumidor  verifique  se o site é seguro, com uma chave de segurança normalmente representada por um cadeado no pé do site. E tentar evitar comprar em sites que tenham domínio fora do país (sem o .com.br).

Outra recomendação importante é verificar nas redes sociais e no próprio portal do Procon se os sites de compras
virtuais estão gerando reclamações e como eles estão procedendo para solucionar esses problemas.

No caso de sites de compras coletivas – aqueles em que são apresentadas ofertas de produtos e serviços com valores mais baixos que no mercado e cujas compras só se validam após a aquisição de cupons por um determinado número de pessoas, o Procon orienta o consumidor a observar os prazos dados para utilização ou entrega do produto ou do serviço adquirido. Além disso, observar as condições da oferta, o período da entrega e as condições de devolução são recomendações importantes para prevenir transtornos futuros.
Publicada: 28/11/2011 10:52| Atualizada: 28/11/2011 10:48

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

DOAR SANGUE SALVA VIDAS

Doar sangue , gesto que pode salvar vidas


Por Jefferson Guimarães

Doadores de sangue são pessoas que pensam, sobretudo, no bem estar alheio. Com um gesto simples e sem alarde, eles ajudam às equipes médicas a cuidar de muitos pacientes e a salvar muitas vidas. A atitude é tão nobre que para celebrá-la foi até criada uma data especial: 25 de novembro - Dia do Doador de Sangue.
O sangue coletado é utilizado em cirurgias mais complexas, em casos de acidentes ou até em catástrofes, por exemplo. Se você ainda não é doador regular, que tal aproveitar a ocasião para se tornar um? Veja quais são as condições básicas:
  • Sentir-se bem, com saúde
  •  Apresentar documento com foto
  •  Ter entre 18 e 65 anos de idade
  •  Pesar acima de 50 quilos
É bom destacar que esse tipo de doação não oferece riscos ao doador porque nenhum material usado na coleta do sangue é reutilizado, eliminando assim qualquer possibilidade de contaminação. Ou seja, a segurança na coleta de sangue é absoluta.
Outras coisas legais de saber: uma pessoa adulta tem, em média, cinco litros de sangue. Em cada doação, o máximo de sangue retirado é de 450 ml; doar sangue não engorda, nem emagrece, não há nenhuma alteração física para quem doa; o homem pode doar de dois em dois meses, no máximo quatro vezes ao ano. Já a mulher pode fazer sua doação de três em três meses com, no máximo, três doações anuais.

Recomendações para o dia da doação:
  • Estar alimentado e com intervalo mínimo de 2 horas; 
  • Dormir, no mínimo, 6 horas na noite anterior à doação; 
  • Não ingerir bebidas alcoólicas nas 12 horas anteriores; 
  • Evitar fumar por, pelo menos, 2 horas antes da doação; 
  • Evitar alimentos gordurosos nas 3 horas antecedentes à doação; 
  • Não ter feito tatuagem ou piercing há menos de um ano.

sábado, 19 de novembro de 2011

DESAFIO FAZER ACONTECER

Sinopse - DESAFIO: FAZER ACONTECER - A DISCIPLINA DE EXECUÇÃO NOS NEGÓCIOS - Larry Bossidy & Ram Charan

Larry Bossidy é um dos mais aclamados CEOs do mundo, um homem com poucos pares e que tem um histórico de sucesso em conseguir resultados. Ram Charan é um consultor famoso, com uma visão sem paralelo sobre por que algumas empresas são bem-sucedidas e outras não. Juntos, mesclaram seu conhecimento e experiência em um livro sobre como fechar a lacuna entre os resultados prometidos e os resultados alcançados que as pessoas precisam hoje nas empresas.

DESAFIO: FAZER ACONTECER - A DISCIPLINA DE EXECUÇÃO NOS NEGÓCIOS - Larry Bossidy & Ram Charan

O SEGREDO DE LUÍSA

RESENHA: O SEGREDO DE LUÍSA

RESENHA: O SEGREDO DE LUÍSA
EDNILSON BARBOSA DE OLIVEIRA (G – FACULDADES NOBEL)

Fernando Dolabela
. Mineiro e pai de três filhos, é pós-graduado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV - São Paulo) e Mestre em administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). É também consultor do CNPq, empresário e diretor da FUMSOFT. Autor do livro “OFICINA DO EMPREENDEDOR” e “O SEGREDO DE LUÍSA” entre outras tantas obras escritas e publicadas nos mais importantes congressos da área. É criador do software de plano de negócios “MAKEMONEY”.

Com a obra O SEGREDO DE LUÍSA, Dolabela tem como objetivo contribuir para a escassa literatura existente sobre o assunto empreendedorismo, e também disseminar a idéia deste, orientando pessoas que buscam abrir seu próprio negócio. Dividida em cinco partes a obra apresenta desde a motivação e a descrição do perfil empreendedor de Luisa, até a consolidação do seu empreendimento.
Apresentando o estudo de mercado que ela faz, seu projeto de organização da empresa, passando por uma análise financeira de viabilidade do negócio. Moradora de Ponte Nova (MG), Luísa, que desde jovem trabalhava com Fernanda, sua tia-madrinha, e por quem tinha profunda admiração. Era estudante de Odontologia e namorada de Delcídio, este que por sua vez não demonstrava grande interesse nos estudos de Luísa, que se davam em Belo Horizonte.

Segundo Bernhoeft (1997, p. 23), “Existem pessoas que apresentam características empreendedoras desde muito cedo”. A estória de Luísa evidencia esta realidade acima descrita. Luísa, espelhando-se nos negócios de Fernanda, passa a vislumbrar um novo futuro para sua vida: Abrir seu próprio negócio – Goiabadas Maria Amália Ltda (GMA). Fernanda, no início não encoraja Luísa, porém passa a perceber que ela tem dentro de si um espírito empreendedor e começa a ajudá-la. Através de uma indicação de uma amiga, Luísa conhece o professor Pedro, do curso de computação, que passa a orientá-la. Após as primeiras conversas que tem com Pedro, Luísa sente-se mais confusa sobre o que realmente pretendia fazer, pois Pedro não respondeu às suas perguntas, ao contrário, levantou vários questionamentos sobre a empresa que Luísa queria iniciar. Ele aconselhou-a que fizesse um plano de negócios. Sugeriu também que conversasse com pessoas de sua família, e falasse com pessoas experientes, que já possuíssem algum tipo de negócio. Sugeriu um “padrinho”, que se possível, fosse um empresário para que a ajudasse a montar o negócio. Luísa, atendendo os conselhos de Pedro, procura o seu André, proprietário de uma fábrica de doces – Biscoitos Santa Luzia. Ela, preocupada em sensibilizá-lo quanto ao seu projeto, sente-se pressionada com perguntas que ele faz, quanto ao comprometimento com o projeto. Ela diz a ele que está deixando uma carreira de dentista, inclusive com emprego garantido para dedicar-se ao seu empreendimento. Seu André, convencido pelo argumento de Luísa, demonstra interesse em ajudá-la, e eles elaboram um plano de trabalho, inclusive com cronograma e prazo. Luísa começa então a fazer seu plano de negócios, porém, lembrando das palavras de seu André, que disse, que o estudo de viabilidade do negócio poderia sinalizar, inclusive, que o negócio poderia não ser interessante, não ser viável financeiramente. Porém, ela precisava começar, caso contrário, nunca saberia. Já, com o plano elaborado, Luísa se dá conta de que somente o produto com seu sabor agradável, não seriam garantia de sucesso. Era necessário identificar também um direcionamento para o seu negócio. Qual seria o nicho de mercado que exploraria. Seu produto deveria ter algo diferente, algo que o fizesse único. Quais seriam os pontos de vendas, o design, o preço. Pois todos esses detalhes poderiam influenciar o consumidor. “A estratégia de Marketing – preço, design de produto, serviço, embalagens e assim por diante. O marketing de alvo pode ser eficaz tanto em mercados domésticos quanto internacionais”. Longenecker (1998, p. 61).

Luísa então, passa a desenvolver um Plano de Marketing; ela irá tentar identificar o que o cliente espera do produto. A partir disso, irá desenvolver um produto que atenda ao cliente. Finalmente Luísa tinha conseguido responder suas indagações e também concluir a análise financeira para o empreendimento. Porém os valores para o investimento inicial, aos quais ela chegou, a surpreenderam – R$ 40.847,08. Refez todos os cálculos, porém não conseguiu fazer cortes para reduzir o valor de investimento sem comprometer a qualidade. Sem recursos, Luísa apela para o banco no qual seu pai tinha conta. Para viabilizar um financiamento ela teria que dar uma garantia real, como um imóvel, por exemplo. Como não dispunha de tal bem, Luísa corre para seu padrinho, que por sua vez orienta Luísa a fazer uma pareceria com outra empresa do mesmo seguimento que faria o investimento do capital. Ela não concorda em dividir seu sonho com ninguém. Porém sua razão diz que talvez essa seja sua última alternativa. André indica três empresários para que ela fosse conversar. Um dos possíveis parceiros, o primeiro que ela procurou, o Dr. Celso, era empresário de vários ramos de atividade, entre eles o de laticínio. Ele propôs a ela a compra do plano de negócios e da idéia da empresa. Disse que ela ainda era muito nova e que uma sociedade não seria o melhor, pois não tinha experiência. Em seu íntimo Luísa indignou-se, porém para não parecer indelicada disse a ele que iria pensar no assunto. Luísa tenta então um segundo possível parceiro: O seu Acácio, proprietário da Indústria de Alimentos Santa Luzia – IASAL. Um dos que havia participado de sua pesquisa de mercado, e futuro concorrente. Este propôs a Luísa uma sociedade, onde ela teria a participação de 10% na GMA. A administração seria por conta de Luísa, que é claro, estaria sob a supervisão do seu Acácio. Novamente ela se decepciona. Não queria ter a participação em somente 10% de seu sonho. Já sem esperança, e vendo na proposta do seu Acácio a melhor alternativa para dar início a realização de seu projeto, Luísa recebe um telefonema de Romeu Neto – A terceira opção de sociedade que seu padrinho havia lhe indicado, e que não pudera atender Luísa por motivos de viagem. Proprietário de uma indústria de compotas – Doceminas. Atualmente com a capacidade de produção ociosa, Romeu propõe a ela que utilize suas instalações para produzir a goiabada, em troca ele receberia um valor unitário pelo produzido. Ou então, propôs ele: Fazer um contrato de risco, onde ele bancaria a produção e teria a participação em 10% sobre o faturamento bruto. Luísa começa a ver então a possibilidade de realização de seu sonho se concretizando. No mesmo instante ela segue para Contagem (MG), para conhecer a fábrica, e fecha um contrato. Luísa consegue materializar seu projeto.

A Goiabadas Maria Amália Ltda torna-se uma realidade. Seus produtos são inclusive exportados. Estabelece parcerias nos Estados Unidos, Argentina e na Espanha. Luísa é eleita a Empreendedora Global do ano, do Estado de Minas. A GMA atinge 8 milhões de dólares em exportações. A obra “O Segredo de Luísa”, é de fundamental importância, pois apresenta o desenvolvimento de uma idéia: Sua concepção, seu planejamento e sua execução. A estória de Luísa é a história de tantos outros empreendedores, que conseguiram realizar seus sonhos. A obra contribui para nortear os querem arriscar no sonho do próprio negócio, e também para o enriquecimento da literatura sobre o tema empreendedorismo, tão escassa no momento. A linguagem do texto é de fácil entendimento, com conteúdo cheio de detalhes, e que apresenta boa coerência em sua estruturação. O tema é relevante, pois sugere o aprendizado ou formação do acadêmico como empreendedor, e não empregado. Este livro é uma boa sugestão para leitura, tanto para acadêmicos como para pessoas de outras áreas, e também para aqueles que pretendem serem empreendedores.

BIBLIOGRAFIA


DOLABELA, Fernando. O SEGREDO DE LUÍSA. São Paulo: Picture, 1999.
BERNHOEFT, Renato. COMO TORNAR-SE EMPREENDEDOR EM QUALQUER IDADE. São Paulo: Nobel, 1997.
LONGENECKER, Justim G.; MOORE, Carlos W. e PETTY, J. William. ADMINISTRAÇÃO DE PEQUENAS EMPRESAS: Ênfase na gerência empresarial. São Paulo: Makron Books, 1998.
 

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

SEMANA GLOBAL

AMIGOS DO BLOG RADAR DE NEGÓCIOS ETC INDICAMOS O PORTAL DA SEMANA GLOBAL, VEJA AS ATIVIDADES E PARTICIPE. ENVIE SEUS COMENTÁRIOS E TENHA MUITO SUCESSO.NÃO DESISTA , REALIZE SEUS SONHOS.


A Redação

Endeavor Brasil

ENDEAVOR ORG

Caros amigos, bom dia e bom feriado.
Indicamos a vc e sua equipe o Portal do Endeavor.org que poderá subsidiar seus conhecimentos através de artigos, vídeos, eventos e outros elementos. Vamos trocar idéias, informações, experiências e conhecimentos. Seja um seguidor do Radar de Negócios Etc. Opine.


Sucesso , nosso Skype GNACONSULT

A Redação

sábado, 12 de novembro de 2011

EXAME PME

Como ganhar dinheiro com o meu site?

O desafio é saber qual modelo de negócio escolher, diz especialista

Editado por Priscila Zuini, de
 
Mão tocando o teclado do computador
Como ganhar dinheiro com o meu site?Respondido por Fernando de La Riva, especialista em negócios digitais
Os modelos de negócios digitais são razoavelmente conhecidos e raramente inovadores em si (com brilhantes exceções, como o advento das compras coletivas). O desafio é sempre qual modelo escolher (ou qual a combinação deles) e, mais do que isso, qual a sua capacidade para executá-lo.
Esse não é um tema fácil de categorizar, mas podemos tentar mapear alguns diferentes tipos de negócios digitais a partir de referências acadêmicas e de negócio. O mais simples de todos é o de fabricante direto e o de distribuidor e varejista multicanal. Para este, a internet é mais um canal de conversão de vendas, com poucas diferenças quando o foco é B2C ou B2B. Dafiti, Whirpool e B2W são alguns exemplos.
Outro tipo de negócio digital é o que chamamos de infointermediário, que é aquele que processa informações de terceiros, agrega valor a elas e vende conversão adicional ou propaganda. É o caso do Buscapé, Mundi e do próprio Google. Um dos tipos mais difíceis de montar é o marketplace, que são dois negócios em um só: montagem eficiente de catálogo (ou compra) e outro em venda (como um varejista).
Outro modelo envolve conteúdo e publicidade. Não importa se você é um grande grupo de mídia ou um blogueiro talentoso, se você tem tráfego, você pode monetizar cada centímetro de seu site com um valor definido para anúncio de produtos. A publicidade online evolui de acordo com o que você lê, onde você está e com seus padrões de uso da web.
Também temos o modelo de consultoria, que pode ser generalizado, mas que possui exemplos como a Digital Telepathy, que presta serviços de criação remotos, e casos de sucesso em treinamento e educação nos quais o canal de prestação é apenas a web.
Não podemos nos esquecer dos modelos de corretagem, como os serviços financeiros. Um bom modelo é o de venda de assinatura pela web para prestação de serviços digitais, como o DropBox. Neste contexto, é importante separar o conceito de página na qual ocorre a venda (landing page) e o serviço que, de fato, é prestado. Ainda temos o programa de afiliados, no qual você pode oferecer uma receita transacional para viabilizar o fechamento de negócios entre compradores e vendedores.
O modelo que mais gera valor é aquele que une comunidades, controle da venda de bens e serviços, propaganda e hardware em um sistema aberto. O conceito de jardim murado, aperfeiçoado pela Apple, consiste em webs com regras próprias dentro da grande web. Neste grupo segmentado, o controlador define a estratégia de distribuição, que é centralizada e taxada. Isto afeta a forma com que os usuários se comunicam, navegam, buscam e transacionam dinheiro. Como exemplos, temos competidores gigantes como Apple, Amazon, Google, Sony e Microsoft.
Entender suas diferentes opções de ganhar dinheiro na internet é só o primeiro passo para ter êxito na rede. O importante é ter certeza de que você está usando as armas que tem corretamente e de que está em uma área que realmente gosta.

Fernando de La Riva é diretor-executivo da Concrete Solutions, consultoria global de TI, e ajudou a desenvolver mais 17 startups de tecnologia.

Envie suas dúvidas sobre negócios digitais para examecanalpme@abril.com.br.

JAMAIS DESISTA - SEJA UM CAMPEÃO

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

SUPER SIMPLES

10/11/2011 13h56 - Atualizado em 10/11/2011 14h51

Dilma sanciona lei que amplia os limites do Simples Nacional

Correção dos limites, porém, vale somente a partir do início de 2012.
Mudanças dão mais 'poder de competição' com importados, diz Mantega.

Do G1, em Brasília

A presidente da República, Dilma Rousseff, sancionou nesta quinta-feira (10), em cerimônia no Palácio do Planalto, o projeto de lei que amplia em 50% os limites de enquadramento do Simples Nacional, conhecido como Supersimples, e que também corrige o limite máximo permitido para a receita bruta anual do empreendedor individual de R$ 36 mil para R$ 60 mil.
Com isso, as empresas poderão faturar mais e permanecer no programa simplificado de pagamento de tributos. O Supersimples reúne seis tributos federais (IRPJ, IPI, PIS/PASEP, Cofins, CSLL e o INSS patronal), além do ICMS estadual e do ISS cobrado pelos municípios.
Mais condições de competir com importados
De acordo com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, que estava presente na cerimônia, a aprovação dos novos limites do Simples Nacional pelo Congresso é um "grande passo" para o fortalecimento da pequena empresa brasileira.

"Isso dá mais poder de competição para as empresas brasileiras no confronto que têm hoje com os produtos importados. Significa uma redução de custos para o microempreendedor brasileiro, com mais condições de ser competitivo (...) Estamos falando de um segmento que tem muita dificuldade para pagar tributos, ou contratar escritórios de contabilidade", disse o ministro. 
Para ele, o fortalecimento da pequena empresa é importante para o país, porque estas companhias são a "base da economia brasileira". "A maioria das empresas é pequena e são as que geram mais empregos. O Brasil tem sido um país muito bem sucedido na geração de empregos e a pequena empresa é uma das responsáveis pelo alto nível de empregos", afirmou.
Segundo dados do Ministério da Fazenda, as pequenas e micro empresas representam 77% de todas as companhias intaladas no Brasil. "Com estas condições [correção dos limites], vamos diminuir a faixa de informalidade que ainda existe no país", declarou.
Renúncia fiscal
O projeto representa uma renúncia fiscal (perda de arrecadação) para a União
de R$ 4,8 bilhões por ano. As mudanças, promessa de campanha da presidente Dilma Rousseff, foram enviadas ao Congresso Nacional em agosto deste ano. Sem rejeição, acabaram sendo aprovadas pela Câmara no fim de agosto e pelo Senado Federal no começo de outubro.
Com as alterações, que passam a valer somente em 2012,  o limite para a receita bruta anual da microempresa passa de R$ 240 mil para R$ 360 mil e o da pequena empresa sobe de R$ 2,4 milhões para R$ 3,6 milhões.
A correção dos limites do Simples Nacional, segundo informações Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), atinge mais de 5,6 milhões de micro e pequenas empresas do país, incluindo 1,7 milhão de empreendedores individuais que integram o regime especial de tributação em atividades como cabeleireiras, manicures, costureiras, carpinteiros, borracheiros, eletricistas e encanadores.
Alterações pela internet, exportações e parcelamento de dívidas
Pelo projeto, o empreendedor individual também poderá alterar, ou até mesmo fechar seu negócio, pela internet e a qualquer momento. O projeto também prevê outras simplificações, como a declaração única, feita por meio do
Portal do Empreendedor, onde também poderá prestar informações sobre obrigações trabalhistas e imprimir os respectivos boletos de pagamento.
A nova lei beneficia também traz mudanças para as empresas do Simples Nacional que são exportadoras. Com as alterações, as exportações destas empresas poderão atingir o mesmo valor do faturamento bruto anual no mercado interno sem que isso implique em sua saída do programa.
As empresas do Simples também poderão parcelar, em até 60 meses (parcelamento tradicional), os débitos tributários, o que até agora não era permitido pela Receita Federal. Atualmente, segundo informações do Sebrae, mais de 500 mil empresas do Simples têm dívidas com o governo, estados e municípios.
Ao anunciar o envio do projeto de correção do Simples ao Congresso, em agosto deste ano, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, afirmou que a medida também seria importante para combater os efeitos da crise financeira internacional. "Em alguns momentos, [os problemas] se agravam, como estes que estão acontecendo hoje no mundo todo. Em função disso, governo tem procurado fortalecer vários setores da economia brasileira", disse Mantega na ocasião

FAZER MAIS, REALIZAR MAIS, VENDER MAIS

A Pedidos dos Leitores :  Fazer + , Realizar +.
Durante esta semana assisti as palestras do TEDx RIO 2011 que realizou-se no Rio de Janeiro na data de 15.02.2011 e li um artigo sobre lições de liderança do CEO da Tesco Sr. Terry Leahy na revista Consumidor Moderno – Nova Varejo e extraí alguns conhecimentos que podem ser aplicados no segmento de segurança empresarial e privada por todos os profissionais que são curiosos, sonhadores e interessados em fazer mais e realizar mais em suas empresas. Aos leitores que me acompanham há  muitos anos informo que continuamos a luta contra a ignorância e amadorismo em nosso segmento e prego que nossa união poderá alterar o status quo atual, pois os Gestores Profissionais de Segurança têm um papel fundamental  para a redução de perdas, criminalidade e violência no Brasil.
Quais são as lições citadas pelo CEO da Tesco?
1.      Encontre a Verdade – Não se apóie em pesquisas e experiências passadas, fale com seus clientes, analise as pesquisas de satisfação, eles mostrarão quais são seus pontos fortes e seus pontos fracos, pontos negativos e positivos do seu negócio de segurança. Faça análise de cenários prospectivos, fundamental para gerenciar as incertezas e o desconhecido;
2.      Objetivos Audaciosos – Quer dar um ZAP positivo em sua empresa? , energize-a com um plano de metas audacioso, revise o plano de negócio e o planejamento estratégico. Muitas empresas não possuem estes planos, busque uma Consultoria Especializada e ponha a mão na massa. Faça a diferença no mercado;
3.      Visão, Valores e Cultura -  Sua equipe pode ajudar você a entender os valores de sua empresa, tenha a sensibilidade e a percepção da cultura empresarial;
4.      Siga seus consumidores – Ficar junto aos seus clientes e consumidores, observe mais. Esteja preparado para aproveitar os espaços para uma conversa e sentir o que seu cliente quer;
5.      Foco – Ter foco em segurança corporativa, empresarial ou privada é fundamental. Como é a sua comunicação com sua equipe? Como você passa as idéias a nível Macro para sua equipe? Aspectos econômicos, políticos, sociais, legais, e  ambientais de nossa atividade são fundamentais para a estratégia da empresa em mercados cada vez mais competitivos. Como estão as medições do financeiro, da qualidade, do operacional, do atendimento a clientes, do comercial? As pressões do dia a dia podem ser um fator positivo;
6.      Pessoas, Processos e Sistemas – Planos transformados em ótimas experiências para nosso cliente;
7.      Pense Leve – A melhoria contínua com a reavaliação de todos os processos traz leveza aos negócios;
8.      Simples ganha do complexo – vamos desenvolver uma cultura de simplicidade, o simples ganha do complexo, Sun Tzu já dizia no livro “ A Arte da Guerra “;
9.      Competição é bom – Aprenda com seu concorrente, seja ético. Foque nas qualidades de sua empresa;
10.   Liderança – Um líder leva você mais longe do que você iria sozinho, assuma este posto em seu departamento, leia mais,estude mais,treine mais, pense mais,faça mais, venda mais, realize mais e ganhe mais. Sucesso a todos...
Autor Prof. Ulisses Nascimento, GSP, MBS, CES , CEO
Security Manager da Grans Nascimento Associados
Consultoria de Negócios em Segurança – São Paulo

Programa Pensando Grande - Assista Agora !

Acesse o site
http://pensandogrande.com.br/ e assista o Programa da Microsoft sobre oportunidades de negócios para a Copa 2014 ( ao vivo ).

A Redação

ARTIGO DO PORTAL DE-SEGURANCA

PRECISA-SE DE CLIENTES.

Todas as empresas estão sempre conquistando alguns clientes e perdendo outros. Sempre haverá clientes que preferem esta ou aquela empresa para suprir suas necessidades. Por mais que uma empresa invista em programas de fidelização, será impossível segurar todos os clientes o tempo todo. O importante é que, além de realizar ações para manter os clientes, precisamos estar sempre atentos para conquistar novos. “Prospecção” é o nome que se dá em vendas à atividade de buscar novos clientes. Prospectar clientes é a iniciativa que o profissional de vendas deve ter para aumentar as vendas e substituir os clientes perdidos com o passar do tempo.

Uma das primeiras etapas de vendas é a pré-venda, definida  como o processo de identificar e qualificar os clientes potenciais. A prospecção de clientes é uma atividade que dá resultados, desde que feita com método e continuidade. Um vendedor interno, quando está fora da empresa, pode fazer buscas na rua. Um vendedor pracista, se estiver dentro da empresa, pode usar os recursos da busca interna.
Fontes para busca interna de clientes:

- Matérias em jornais
- Páginas amarelas
- Revistas técnicas
- Pesquisa na internet
- Catálogos e anuários
- Conversas com fornecedores e clientes
- Conversa com amigos e conhecidos
- Ligações para clientes recentes
- Contato com clientes inativos
- Cadastros diversos


Fontes para busca externa de clientes:

- Visita porta a porta
- Observação na rua e na circunvizinhança
- Feiras, congressos e eventos
- Sindicatos da categoria
- Clubes, igrejas, ONGs e associações
- Cursos e universidades
- Indicações de gerentes de bancos
- Conversas informais

As oportunidades de encontrar novos clientes estão por toda parte. Para encontrá-los é preciso estar em movimento, visitando, promovendo, participando, conectando-se a todos os tipos de atividades onde haja a possibilidade de garimpar vendas. Buscar novos clientes é mais uma atitude de constante atenção às oportunidades do que uma tarefa que se desempenhe. No começo pode ser um pouco mais difícil, porque ainda não se tornou um hábito, mas aos poucos vai se tornar natural e se incorporar às tarefas do dia-a-dia.

Hoje não importa onde o produto é fabricado e por quem, mas onde é vendido, como é vendido, quem compra e por que compra. Aumentar o número de clientes é uma espécie de instinto de sobrevivência das empresas no mundo capitalista. Sem isso não há como sobreviver diante de tanta concorrência. Em um passado não muito distante os clientes eram esperados. Agora, um vendedor só está profissionalmente completo quando for capaz de buscar clientes e não apenas esperar que eles apareçam espontaneamente. Nesta busca, não se esqueça de sempre agradecer as pessoas que lhes indicarem novos clientes, pois de mal agradecidos o “inferno está cheio”. Procedendo assim, estará incentivando novas indicações.
Outros artigos:

Soeli Terezinha de Oliveira, formada em Comunicação Social com Especialização em Relações Públicas. Pós - Graduada em Marketing pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM). Pós - Graduada em Recursos Humanos pela FEEVALE. Especializada em Dinâmica dos Grupos pela Sociedade Brasileira de Dinâmica de Grupos (SBDG). Capacitada em Maestria em Sala de Aula pelo IEA. Consultora e Palestrante do Instituto Tecnológico de Negócios Ltda. nas áreas de Marketing, Varejo, Atendimento e Motivação. Contato:soeli@sinos.net

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

COMO ORGANIZAR O ESCRITÓRIO

Dicas para organizar o escritório

Não tem tempo para organizar seu escritório? Siga estes passos para se organizar diariamente:


- Livre-se da tralha. Remova pelo menos um item da área de trabalho que você não utilizou no ultimo mês. Remova todos os itens pessoais de sua mesa. Jogue fora as canetas que não funcionam.

- Faça um inventário. Revise o suprimento de material do escritório e faça uma lista do estoque. Em seguida organize todos os itens por categoria.

- Organize seus contatos. Reúna todos os cartões de visita e pedaços de papel com telefones anotados, classifique, anote os telefones na agenda e jogue os papéis fora. Se necessário, compre uma cartoneira (para organizar cartões).

- Limpe os papéis em cima da sua mesa. Jogue no lixo papéis velhos e rascunhos. Arquive o que for necessário.
Organizando as contas
Utilize arquivos sanfonados:
Um com numeração de 1 a 31 para as contas a pagar durante o mês. Pode ser um arquivo porta-cheque (foto). Outro para armazenar os comprovantes com a identificação das contas pagas: IPTU, IPVA, luz, água, etc. E outro com identificação de janeiro a dezembro para guardar extratos.

- Os locais mais indicados para colocar esses arquivos são:
Criado-mudo, na cozinha, próximo ao telefone ou perto da entrada, pois assim que receber a conta, já pode colocá-la na pasta.

- Para descarte de papéis:
Verifique cada documento e papel. Guarde apenas aqueles que você tem certeza que serão úteis. Arquive o que sobrou por assunto em caixas com visor.

Guarde:
Fatura de Cartões de Crédito: 1 ano

Contratos de seguro (incluindo Seguro Saúde) – 1 ano

Contrato de aluguel – 3 anos

Imposto de Renda, IPTU, IPVA, contas de água, luz, telefone e gás – 5 anos

Recibos - 5 anos

Plano Saúde – 5 anos

Pagamento de condomínio – 5 anos

Prestação da casa e consórcios – 5 anos (após a quitação)

Mensalidades escolares – 5 anos

Nota Fiscal - de qualquer tipo de produto ou serviço deve ser guardada não somente pelo prazo de garantia, mas pelo prazo de vida útil do produto. Isso vale, por exemplo, para eletrodomésticos, eletro-eletrônicos, automóveis, etc.

Holerites - até a aposentadoria, junto com as rescisões de contrato.

Carnê do INSS - Para efeito de previdência social, profissionais autônomos devem guardar o até o pedido do benefício da aposentadoria.

Certidões - Lembre que devem ser guardadas para sempre, assim como a carteira de trabalho e os contratos.
Fonte: YAHOO

terça-feira, 8 de novembro de 2011

O que as pequenas empresas devem pagar a funcionários?

Entenda o que diz a Constituição Federal sobre os deveres das empresas com colaboradores

Editado por Priscila Zuini, de
 
Carteiras de trabalho empilhadas sobre uma mesa 

Jorge Rosenberg/VEJA

Embora níveis de emprego sejam elevados, ineficiência da mão-de-obra brasileira preocupa, de acordo com Gilberto Guimarães

O que as pequenas empresas devem pagar a funcionários?

Respondido por Peterson Vilela Muta, especialista em direito do trabalho
A Constituição Federal, a CLT, as Normas do Ministério do Trabalho, as convenções ou acordos coletivos, além das cláusulas existentes nos contratos de trabalho, são as regras que todas as empresas devem seguir para manter um bom relacionamento com os empregados.
Os deveres básicos são pagamento de salário que não poderá ser inferior ao mínimo previsto na Constituição Federal ou o piso salarial previsto nas convenções dos sindicatos, jornada de trabalho máxima de 44 horas semanais, descanso semanal remunerado, férias anuais com acréscimo de 1/3, 13º salário anual, FGTS, benefícios previstos nas convenções ou acordos coletivos dos sindicatos (como cesta básica, assistência médica e auxílio creche) e recolhimento das contribuições previdenciárias destinadas ao INSS.
Além dos benefícios individuais, as pequenas empresas devem seguir as normas do Ministério do Trabalho relacionadas à medicina e segurança do trabalho a fim de proteger a coletividade. De acordo com essas normas, as empresas devem conceder equipamentos de proteção individual, dependendo da função exercida, condições de trabalho ergonomicamente adequadas, além de toda orientação e fiscalização necessária visando assegurar a integridade dos seus empregados.
É importante, ainda, que as empresas elaborem manuais de conduta para que todos os seus empregados conheçam, no ato da contratação, das regras de boa convivência no ambiente de trabalho, evitando, assim, constrangimentos de ordem moral. Outra questão importante é a abertura de um canal direto de comunicação entre empresa e empregado para entendimento e participação integrada nas questões cotidianas.

Peterson Vilela Muta é advogado especialista em direito do trabalho e coordenador do departamento trabalhista do escritório L.O. Baptista Advogados

Fonte : Exame.com
 

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Veja 10 dicas para melhorar o desempenho do site de sua empresa

Veja 10 dicas para melhorar o desempenho do site de sua empresa

Especialistas ensinam técnicas para otimizar resultados em ferramentas de busca como o Google e gerar mais negócios

Bruna Bessi, iG São Paulo | 07/11/2011 05:44  
Se você pensa que apenas os sites de grandes empresas têm chances de ficarem entre os mais bem colocados nos resultados de buscas na Internet, está na hora de rever seus conceitos. Hoje, uma série de estratégias aplicadas à estrutura das páginas pode ajudar a potencializar a visualização do site e, consequentemente, a atrair mais clientes. Esse trabalho de otimização de resultados é chamado SEO (Search Engine Optimization) e tem sido utilizado pelos webdesigners como um guia na hora de fazer programações.
O iG consultou especialistas em SEO e selecionou 10 dicas práticas para montar um site mais atrativo aos buscadores.  

1) Rapidez é fundamental: O tempo que uma página demora para carregar é um elemento importante para o Google. Segundo especialistas da área, uma espera superior a 10 segundos já é um sinal negativo e fará com que seu site perca posições nas listas de busca. Uma das formas para diminuir o problema é não usar fotos pesadas nas páginas.

2) Cuidado ao usar Flash: O software que ajuda a criar animações e páginas da internet pode não ser muito interessante aos buscadores. O perigo, na verdade, está em desenvolver todo o site nesta plataforma, já que o Google não irá “ler” as diversas páginas que estiverem incluídas dentro do programa. Por isso, o indicado é fazer cada página em html. “Ao usar Flash em tudo, o site não ficará tão interativo e os buscadores só lerão uma “url” quando poderiam ser várias. O ideal é colocar o que for realizado neste programa inserido nos códigos ‘html’”, diz Ana Carolina Costa Martins, especialista em SEO.
3) Organize os assuntos por páginas: Para melhorar a imagem de seu site nos buscadores procure sempre agrupar temas comuns em páginas específicas. Ou seja, quando falar sobre a decoração de quartos infantis, por exemplo, coloque nesta área textos e imagens relacionados para aumentar sua importância. Além disso, marque algumas frases com links para levar o visitante a outras páginas do site.

4) Use títulos coerentes: Para o Google, é muito importante que os títulos das páginas tenham ligação direta com o conteúdo apresentado. Se o texto falar sobre jardinagem e o título for “Saiba como decorar um quarto”, o buscador não entenderá a relação. Por isso, não invente nomes sem contexto e verifique se a url mostra uma ideia clara sobre o assunto. “Para evitar erros na divulgação use urls de 50 a 60 caracteres e que sejam funcionais. Colocá-las em modo reduzido é uma tática interessante nas redes sociais, mas para os buscadores não”, afirma Ronny Nascimento, diretor da Flex Interativa empresa de SEO.
Leia também:
5) Fique atento aos códigos: Na hora de fazer a programação, todo cuidado é pouco. Segundo especialistas, colocar “metatags” (palavras que funcionam como orientação aos buscadores sobre o conteúdo do site) no código fonte das páginas melhora a avaliação do Google. Este recurso não é visualizado pelos leitores e deve ser incluído em todo início de página, colocando palavras que levariam ao site em uma possível busca pela internet.

6) Use fotos com nomes descritivos:
Como o leitor do Google não identifica imagens, é preciso que as fotos sejam nomeadas de modo mais descritivo possível. Sendo assim, ao fazer a estrutura do site, verifique como salvou as imagens no computador e confira os códigos programados.

7) Evite as repetições
: Criar páginas de conteúdo parecido não aumenta a visibilidade. Ao contrário, em situações como estas, os buscadores juntam os temas comuns e os reconhecem em uma única página. Para que o site não perca espaço nos buscadores, evite repetições de parágrafos e use textos de autoria própria.

8) Enriqueça a produção
: Quanto mais conteúdo o site apresentar, mais relevante será aos olhos dos buscadores. Por isso,utilize assuntos que complementem a ideia principal. Se a empresa for uma clínica de estética, por exemplo, apresente os serviços e disponibilize dados sobre beleza e saúde. “Também pense no que colocar na home, já que o Google rankeia melhor o que estiver na página principal. Mas cuidado para não colocar muita informação e prejudicar a visibilidade”, afirma Fábio Ricotta, co-fundador da empresa Mestre Search Engine Optimization.

9) Utilize palavras-chave:
Outra tática que pode melhorar o desempenho de seu site nas buscas é distribuir palavras relacionadas ao conteúdo principal em textos, títulos, urls e legendas de fotos. Para escolher as palavras-chaves imagine como os leitores chegariam ao produto ou serviço oferecido em uma possível busca na internet. Mas, lembre-se: seja natural. “O principal erro dos empreendedores é associar palavras com conteúdos diferentes. Isso prejudica a análise do Google”, afirma Nascimento.

10) Cuide da sua reputação
: Quando outros veículos utilizam seu site como referência e o linkam em conteúdos próprios, eles ajudam a elevar a posição do site nas listas de busca. Isto, entretanto, deve acontecer naturalmente para que não haja o risco de ser caracterizada fraude